Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

TRANSATRAVESSADOS

26 de junho de 2012

inf(lux)o


para Claudio Willer

“Sweet sweet sweet sweet bulbs grow in m' latest garden
[...] Come talk freely in the garden of m' lady“
CAPTAIN BEEFHEART

saio do museu da minha língua
quando disso ouvi meu pensamento
dissolutamente e dissolutamente
a ascender os pulmões com pirulitos de câncer
nos foguinhos azuis de bumba-meu-blues
em meus fones de canção e olvido
com que cruzo o rush com a avenida na garganta seca
de uma idade relativa a doar
aos pobres que abundam e podres moribundam
antes d’eu penetrar no público dédalo da provocação
o Jardim da Luz e vírgula
a me reiniciar na verdade do Já alascincodelatarde
quando me corto em particípio sentido horário
a tentar pescar com minha vara de água
naquela velha agádoizó o que os dois olhos não agarram
já aquela se volatilizou do brusco buraco do silêncio
que estes meus furolhos lacrimais alamedram
entre as árvores altissonantes do vento gerúndio
das fagulhas-farpas que nos farrapos são caos e efeito
a encenar um incêndio teatral de trovões e fosfenas
quando me vira a cara o busto-fantasma do risorgimento
que me faz farra ou pilha
como o peixe solúvel que é este Garibaldi
coroando o paisagismo nouveau d’outras fontes
se com isso tutti importas giratórias da recepção
na ágora ou nuca da sua cabeça
bronzeada de fraternidade
quandonde as aléias sem azaléias
me voam raso e/ou taxiam tortuosamentindo
rumo à gruta-agrura artificial
que já a curto prazo se avista cansada
de ser buraco de se descer horizontológico
quando o sol se põe atrás da estação no inferno
ao objetivocaso mais grotesco
do que o que nos grita essa gruta bocarrazão
Deméters por segundo sombra
donde o cimo tem uma altura-queda
para o ar marchetado de aves rupestres
criançando as brincadeiras
par A.k.a. Bar com o juízo de Deuzebu
entre as putas velhas mais gordas do que o clamor louco
enraizadas no mundo d’arcana décima sétima hora-treva
da árvore cujo fruto é ainda outra árvore
que dá frutos em miração do caminho
do parquinho de sexofone
semeado de preservativos da véspera
cujos velhosábios peripasseios de Tirésias
e más companhias ilimitadas
das estatuazinhas aos quatro ventos musicantes
que senti nelas a guarda e a túnica baixa
que as oito leminiscatam cardinalícias ao arcano redor
do verde-Cézanne mais central e tão depressionista  
de carpas e cágados e tudo que nada a girarodar
nos dez ligados chafarizes na hora e na vez
do chá inglês fazer risos antes que eu me esqueça
ante os alvos tesões em branco em cada pau incircunciso
doente de ouro ou romances de copo e espodo(mancia)
nos quais delira cada uma das verves
das retaguardas artísticas ao passar
no alto capitaneando o coração de carne
por sobre a mágica banda no coreto  
das aposentadorias anacoretas fazendo e feito dominó
quando da passagem do psicotrópico de capricórnio
soterrados por estas minhas folhas
no último anil da abóbada celeste
esporeando o meio-pau dos suicidas
que castraram a própria lida noutro buraco
e eu a cavá-lo por um reino troco de pé e demão
ao verouvir num au revoir de pássaros
o rubromoinho de can-cansaço
da jovem mulher rara a se aproximar de mim
e ela minha truta se quer ar agonizar
camponesa do Pari que é
a me replicar cada ditirambo
do principal clown-dio da poesia brasileira
que vejo bem ali n’adjacência alucinante da cicatriz de X
que ela tem na brecha da face visível
que me desmascara e até dá algum barato no labirinto
quando às seis os apitos da segurança tentam avisar
este par que fecha


21 de junho de 2012

Afim de princípios


Admitir-se-ia, provisoriamente, como inquestionáveis,
em axioma,
postulado,
proposição
ou teorema,
no início de uma dedução, naquele ou neste sistema,
não sendo deduzidos de quaisquer outros consideráveis,
que realidade é um conceito psicológico
que designa a acomodação a uma situação
que a experiência já tenha demonstrado como preferível
mediante a contenção do princípio do prazer,
o que tende apenas à satisfação de um impulso
dada a incerteza ou indeterminação
pois é impossível realizar qualquer medição
numa partícula muito pequena
sem afetar seu estado natural.

O tempo gasto por um raio luminoso
entre dois pontos quaisquer
é o menor possível,
pois todos os pontos de uma onda de energia no vácuo
podem ser considerados como novas fontes de ondas
que se expandem em todas as direções
em um intervalo de tempo proporcional à velocidade,
já que a ação ou trabalho mínimo
pretende que o trabalho realizado é sempre o menor possível 
quando há transferência de energia.

A população tende a crescer em progressão geométrica
enquanto se produz alimentos em progressão aritmética
e todas as pessoas nacionais ou estrangeiras domiciliadas ou não estão sujeitas às leis do país onde se encontram,
pois são constitucionais os dispositivos jurídicos fundamentais
que se encontram implícitos ou expressos na constituição, segundo os quais se organiza a vida jurídica da nação
e se estruturam e funcionam os órgãos estatais,
uma vez que em uma família de conjuntos não-vazios
pode-se pegar ao mesmo tempo um elemento de cada conjunto
e reputar o grupo que não podia pertencer a qualquer categoria
como constituído desses elementos
dado que dois elétrons de um mesmo átomo
não podem ter o mesmo conjunto de números quânticos,
ou seja, o mesmo nível de energia,
pois em um líquido incompressível em equilíbrio
a variação da pressão se transmite integralmente
em todas as direções e a toda a massa líquida
e todo corpo mergulhado num líquido
está sujeito à força denominada empuxo
que atua de baixo para cima
e é igual ao peso do volume de líquido deslocado,
e, além disso,
um corpo mais pesado do que o ar se sustenta no espaço
se, mas não somente se
o fluxo elétrico que passa através de uma superfície fechada
é proporcional à carga contida no interior dessa superfície
e a entropia de todos os corpos tende a zero
quando a temperatura tende ao zero absoluto.

A condição ideal de equilíbrio
a que tendem os diversos blocos da crosta terrestre
parte do princípio de que o universo é homogêneo e isotrópico,
sem local ou direção privilegiada para observação,
sabendo-se que
a complementaridade é observar um fenômeno qualquer
de dois pontos de vista diferentes e não excludentes,
posto que
o valor relativo de duas grandezas da mesma espécie é constante,
independentemente da unidade escolhida,
já que
um sistema em equilíbrio reage a uma perturbação
de modo a neutralizá-la e a restabelecer o equilíbrio,
porque
os processos biológicos do passado
ocorreram de maneira semelhante aos atuais.

A base filosófica para a aceitação
de novas teorias requer que a teoria
mais recente explique a fenomenologia
para as quais então a precedente valia,
algo tão evidente em si mesmo que dispensaria
mesmo qualquer hipótese de demonstração,
o que só depois de demonstrado se admitiria. 


15 de junho de 2012

Transatravés

Sente a tração textual 
este leitor ontológico e mamífero: 
seus olhos de ventania com fome, 
e a pintura, sua irmã, 
diriam estas ideias com o formato das cores; e nós, páginas, 
afirmação própria de escuros sons, 
tatearíamos no tempo outra ficção 
revinculada ao som de nosso nome. 

Dito bem menos grego do que falaria um copo d’água, 
com nenhum outro tema de ficções, 
conceito de dúvida, fúria ou mágoa, 
cada minuciosa cor que não é nada, 
como imortais mudariam de pensamento e de paixões. 

E se a língua em que se exercitava no jogo 
saísse para buscar alguma resposta 
e no erro lambesse os dados a lhes besuntar melhor vício, 
encontraria remédio a humanidade 
ou bem astros por trás de seu rosto 
que sem dúvida questionaria ainda a fundo. 

Recomponha tua figura, 
porque não se referia a conceitos abstratos, 
a chamativa cenografia que outro lê “amor” 
e se deixa iniciar pela casa deserta 
a partir dos labirintos de tabloides, 
mas em começar sua carreira com o sonho, 
órgão não oficial de alguma seita de pedra 
pois nos alimenta a voz do talvez invisível. 

Aí aprendeu o pouco latim de um rito elementar, 
mas algo nele, como era de se esperar, 
estava fora de época: a sua língua era? 

Alta era a tarde, e esta pedra como a obra de todos, 
só fazia ainda indagar sobre Deus, 
ou nem mais quem é nem o que é, 
mas já onde se acha e como evitar, 
se em alguma escadaria de templo, 
se nesse inumerável pó do planeta, 
se em cada própria questão, como “eu sou pergunta”. 

Estávamos nos anos finais de um século prestes a reincidir, 
e, logo depois, imersos na experiência mesma do se repetir. 

Saí em busca de meu crepúsculo 
como serão na recordação os rostos com uma rua, 
esta secreta possessão inocente, de puro músculo, 
se às vezes a tentação de traduzir para verdadeiro 
trai-me em português brasileiro: 
 jamais se possua! 

Conservei o meio natural, 
já que a verdade é que existe o caráter nele, 
obtendo qualquer efeito como de revelação 
e, detrás do indivíduo, ninguém verdadeiro 
senão certo estado da arte 
que tem seu preciso lugar em não sair dele 
ou no nunca aprofundá-lo. 

E o estilo de todos os mestres confirmou a sua suspeita. 

Quiçá não por meio, mas inteiramente maneiras do cantador, 
no caso um de modesto dialeto, 
homens e mulheres tiveram na mão este interlocutor humano 
que invocou (com as máscaras) sua alma, a de ser a descer só 
nesta sua experiência de mente impressa. 

Um rascunho escritor no início é onírico e vaidosamente bruto, 
ao qual terá dado razão se aceitou tal destino 
e, a poder, vazão, 
e só houve nele, ao despertar, os idiomas de sob suas pálpebras, 
inculto ainda, e nem sequer um banto ou tupi, 
o que para nós daria na mesma, 
mas o primitivo não podia estar entre paredes, 
pois a eternidade deste mundo é muito vulgar 
para a complexidade das feras. 

E seus palavrões não sabiam cessar (e de sono eu não comento, 
não para desonra dessa imaginação 
cuja especialidade eram os porquês, de interrogação sua pose), 
e aí renunciou ao como pelos quês, 
e se disse o que dito, o depoimento emitido no outono de 2012. 

Sua orelha está onde houver música, 
essa sentença encantada de demônio, 
vertida e replicada por uma verdade 
que desde sempre esteve subjacente 
às mil falsas senhas com que sonhas, 
e sua noite, uma vez desensurdecida, toca-nos a boca pequena, 
  e a nos beijar a cantilena 
a sua língua entregou-se à prática número dois, 
para a qual não podia saber estar predestinada. 

E, íntima vítima, exagerou gerações, 
já que o passado e o futuro em algo pressentidos 
na divisão da visão levada ao termo, 
induzidos a isto talvez pelo ser todo, 
no início tantos anos multiplicaram até o infinito, 
porque a máquina o fez vir com pretexto inverso 
àquele insuspeito que habita o eleito. 

Certa vez substância terna, nossa, esta voz imanente, carnal, 
enfiou um de seus inúmeros braços na página da minha testa 
podendo significar aqui um monstro, 
e atraiu-me para sentir tal inconsútil 
que sentado áspero, acocorou a obra 
como no ar outro véu de superstição 
 ou menos, uma sombra, 
ou este silencioso livro (ruído negro) origina suas sensações, 
algum fogo e logo certa ideia de dor 
 e calor e luz, e mais luz. 

Parte imortal, iniciou-o este tal não-método no todo-antídoto, 
uma mitologia simplíssima de besta 
que orate fez o primeiro movimento 
desordenar o divã a divagar seu afã 
como escolas abertas da nova idade, 
quando celebraremos o nosso ofício interno, 
aonde poderemos ser um, e levados 
a última potência, 
pois só despertaremos por distração, 
o que aqui se afirmou sem metáfora, que livre depreender-se-ia, 
que isto feria não, 
euforia. 

E não sede mora onde ocupo pouco, causo liquefeito, 
a mão se demora nas cordas e palavras cantam greve 
acompanhando-se à guitarra, com sol e dó das coisas, 
bebida babélica nas molas do salmo ou do impossível 
com que passarinho faz escalas entre nossas pestanas 
pois já não tinha sentido para as repetições do horário 
pois isso excederia a nossa incalculável compreensão, 
o que, previsivelmente, seria tão apenas inacreditável 
e as duas imagem, segundo se sabe, são uma só coisa. 

E, ao contrário, 
   este meu trecho de conversa a oeste 
acontecia durantemente as coisas em outras palavras: 
e já aconteceu, 
  sempre, 
no liso espelho de gravíssimo cenho 
cuja secreta estranheza 
(de menos um realismo, entrevisto onde o procuram) 
de patafísica a nos indicar a perfeita prisão de tempo 
na matéria do copo, pela errada circunstância da hora 
que tomada de um gole, 
abusou de mim, este tu de propósito 
que cumpre suprir ao tom ausente com o tom silente 
da imagem e do som e da ideia que possam ser úteis, 
e não fatuidade, 
quando o rosto olhou-o no assombro 
e duvidou reconhecer, naquela noite, truco do tempo, 
e ainda desde a madrugada seguinte, 
que caberia ensaiar as cores e formas 
do nunca rubricado no meio do peito. 

Como se já fosse uma única extensa metafísica 
na única linha em azul de leve, 
naquela urgência de ter a ideia de tempestades, 
começa a observar que pode a tal noção de nós 
(no século XXI) precipitar outro intervalo certo 
em escala mínima, quieto, exceto de si para dó, 
 ou jogo outonal 
sobre folhas secas e sem saber 
 ao cair com elas 
 que é, no início, 
 morrer de amor. 

E, penetrantemente, 
com o medo em riste, 
olhando-o de frente, 
perguntou ao criador qual era o seu nome, 
e ouviu que apenas criação é o que existe 
e que era hora da criatura estar com fome 
e comeu descrente. 

Isto equivaleria a dizer no máximo 
 (sempre dizer no máximo) 
que quem nos escreve nos deu esta resignação por hexâmetro; 
 mero utensílio a cabeçorra 
que demais amais assim tão viciosa 
  porque nos sabe à música; 
que ela voltou da sala de sem-razão para ser nossa antagonista 
  em seu alcance de Occam; 
que a escrita de contrários não fura 
o que transverberado está; 
e que isto, no fim, a náusea ardente de rever o que escrevemos, 
só está em quem é escrito.