Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

TRANSATRAVESSADOS

8 de setembro de 2012

Medusa e Perseu






A beleza antiga reclusa                    Auxiliado pelos numes
no fundo desse monstro                    o antifeminista Perseu
em uma gruta sombria,                   recebeu deles donativos
essa mais abjeta heroína:                 a fim de encarar a fera:
ela a de pelescamosa,                      sandáliasas herméticas,
que ostenta presalientes                  o plutônico elmobscuro
e uma fina línguarcaica                 e a paladina égidespelho
a ser por demais mulher                  para invadir o seu covil
com tão deletéria peruca                   qual invisível soldado,
a da cabeça serpenteada                 alado ligeiro saqueador,
da impetuosa Medusa                      devastador irreflexível,
que do horror é máscara                     da morte mensageiro,
por sobre o seu olhar                     entregar seu mau recado
guardião da maldição                     sem que no chão padeça
cuja violação primordial                o tal machão petrificado
de ser levada pela maré                  sem levar aquela cabeça
a fez violenta a poder                     que degolada e sacudida
tornar a carne em pedra,                 bem serviria de amuleto
estátua a quem a for ver.                a tão célebre feminicida.