Minha foto

Poeta e ficcionista paulistano nascido em 1979, é autor do Livro Ruído (Eucleia Editora, 2011), publicado em Portugal, e das Ficções paralelas e Visões para lê-las, iluminadas por Yuli Yamagata. Traduziu Natureza, de Ralph Waldo Emerson, e Caminhada, de Henry David Thoreau (Dracaena, 2010). Seus blogues Não Fique São e Transatravés, que permanecem no ar, somam mais de 130 mil visitas.

Estudou Publicidade, História e Jornalismo. Foi operador de atendimento, agente de leitura e apresentador de televisão; agora atua como factótum de texto: redator, revisor, tradutor e consultor editorial. Mora em Sorocaba-SP, onde trabalha em casa, na Felina Oficina, afagando Lira, sua gata, e produzindo os espetáculos e vídeos de dança contemporânea de Mimi Naoi, sua esposa, com quem também mantém o projeto Fôlego, com performances nas quais recita poesia para ela dançar. Em seu perfil e página no Facebook, pratica o colunismo antissocial e publica seus textos e traduções.

Tem poemas publicados nas revistas Mallarmargens, onde é colaborador, e também nas revistas CronópiosTriploV, Germina7faces, BrasilianaDiversos Afins, Ellenismos, Raimundo, Macondo, Aedoscuritibanos, Oficina.Casulo e Pó&Teias, e nas antologias AsfaltoVinagre e Poema de Mil Faces

TRANSATRAVESSADOS

27 de junho de 2013

quatorze questões de múltipla escolha ao redor de um soneto (gabarito)

o que aconteceu antes do começo? 
(  ) sempre parto da ideia da dor 
(  ) nada ainda estava do avesso 
(X) tudo, só até o fim anterior 

houve uma entidade criadora? 
(  ) creio que todo deus é incrível 
(  ) e talvez ainda uma tradutora 
(X) é destrutivamente possível 

de que é feito o ser humano? 
(  ) de um estranho senso de humor 
(  ) do maior óbvio ainda arcano 
(X) da mínima fração do autor 

como foi que chegamos aqui? 
(  ) sentados no sentido conversível 
(  ) ainda não passamos do croqui 
(X) através da linha reta ilegível 

qual a razão final dessa vida? 
(  ) o maior monumento ao ruído 
(  ) a busca por não chegar à saída 
(X) o contínuo se achar perdido 

o amor que sentimos o que é? 
(  ) o conteúdo que cabe às pessoas 
(  ) das carnes de demiurgo o filé 
(X) a má cola entre as coisas boas 

por que precisamos da arte? 
(  ) ela dá graça ao que tens lido 
(  ) para desumanizar-te 
(X) para nosso tempo cumprido 

estamos no mundo sozinhos? 
(  ) das popas não se vêem as proas 
(  ) a solidão tem outros caminhos 
(X) no silêncio nunca nada ecoas 

este universo chegará ao fim? 
(  ) tornará a direção passageira 
(  ) o termo causa efeito ruim 
(X) aonde tal fronte ir a fronteira 

o tempo possui um limite? 
(  ) o da hora de afinal saber 
(  ) como o atraso que se admite 
(X) duro só estando em haver 

qual é o limite da liberdade? 
(  ) é preciso explorá-la inteira 
(  ) basta encontrar sua metade 
(X) a cativante vida prisioneira 

por que é que nós morremos? 
(  ) é a última forma de lazer 
(  ) apenas porque podemos 
(X) para essa experiência viver 

existe uma vida após a morte? 
(  ) voa ao vento a vivaz poeira 
(  ) nada que para lá transporte 
(X) se apôs à última a primeira 

a eternidade pode terminar? 
(  ) quando a questão morrer 
(  ) se dermos chance ao azar 
(X) logo ao conseguir vir a Ser